4.7.04

A terra emergirá pura do mar
De lágrimas sem fim onde me invento.

Sem comentários: