12.9.06

[para assinalar a chegada de um blog com nome de livro]

PAULO JOSÉ MIRANDA

A voz que nos trai


Talvez, é aquilo que nos pode servir de desculpa,
que dá sentido a uma espera, ao empenhamento dissimulado,
à mentira mais profunda que se pode erigir.

Não é nem velho nem novo, e a meio caminho da vida e da morte
encontra-se consigo a medir tarefas, dinheiros, tempo.
A beleza é sempre tardia junto ao corpo.

Quem se não reconhece ao virar de si sofre inutilmente,
deita-se para não acordar, levanta-se para muito pouco mais.
Jogamos a mão a um livro como se não temesse a morte

e a voz que se escuta trai-nos de todo a vida.
Talvez, que a beleza é sempre tardia.

Quando a carne se rasgar por dentro numa úlcera,
o hálito denunciar o declínio das suas esperanças,
talvez então aí encontre a verdade que procura,

talvez encontre o que sempre soube com medo,
porque nem sempre escondeu a sua vida.

Uma veia que se entope, a visão perdida,
os talheres e os copos a agitarem-lhe as mãos
e ao espelho cada ano um velho desconhecido,

será este o diagrama do fracasso, de uma vida?

Talvez as culpas fiquem por atribuir,
talvez que de um outro modo pudesse tudo ter sido diferente,
talvez não caminhasse para a miséria, para a morte, um nada sem fim.

Talvez, que a beleza é sempre tardia, junto ao corpo.

(de A voz que nos trai, edições Cotovia, 1997)

1 comentário:

sub rosa disse...

Boa tarde!
Aprecio imenso o seu trabalho. Suas ecolhas, suas críticas.
Há muito que já devia ter vindo aqui.
Hoje, porém, chegou a ocasião.
Um duplo e imenso obrigada: pela divulgação do blog do escritor e Poeta PJM e
porque muito me tenho beneficiado; tanto, mas tanto do que tão genorosamente nos distribui. Porque precisamos.
Não sabe o quanto me tem socorrido:-)
Um forte abraço
Sub Rosa
Meg Guimaraes