24.11.06

FÁTIMA MALDONADO

O OUTONO


Cismam os caçadores
junto de estevas,
o pombo reflecte face ao junco,
o grilo ressuscita melopeias,
a tarde cerca a margem
no curral da noite.
O caixilho da arma cede
à luz,
o lago envia em morse.
O vento hiberna
enquanto bandos de patos bravos
envolvem o céu de ligaduras.

(de A Urna no Deserto, 1989)

2 comentários:

holeart disse...

e lá continuamos com a tragedia.

os mais vistos nao revelam nada.

good blog

Hugo Milhanas Machado disse...

(a poesia que nos encha os bolsos e aqueça as mãos)


HMM