1.3.07

[sempre fui do Sporting, mas creio que qualquer pessoa da minha idade, independentemente do clube, lembrará os nomes dos jogadores do Benfica dos anos 80. Bento está marcado nas minhas memórias de infância, sobretudo por causa de um jogo (acho que amigável), que vi ali em baixo, da nossa Selecção com a da Alemanha, em 1982 ou 1983]

MANUEL ALEGRE

A FESTA


Eram talvez setenta a oitenta mil
bandeiras como cravos cor de Abril.

Eram talvez setenta a oitenta mil
e uma só voz um só clamor

E lá em baixo na relva longe e perto
o Bento o Alves o Nené o Humberto

camisola vermelha flor de Abril
como um só coração uma só cor

Não me venham dizer que futebol não presta
Eu não sei de outro rito não sei de outra festa

Falta um minuto. Aí vem o Chalana: é golo
E tocam no Olimpo as trombetas de Apolo

E passa a humilhação passa a tristeza
e passa o dia-a-dia e só nos fica

este minuto de alegria e de beleza
este grito na noite este clamor: Benfica

(in O Desporto na poesia portuguesa, pesquisa selecção e notas de José do Carmo Francisco, Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas, 1989)

1 comentário:

nuno.hipolito disse...

Mto bonito. Mais poemas em http://omj.no.sapo.pt