7.4.08

FERNANDO GUERREIRO

A campanha da Rússia


Sempre as mesmas imagens, recorrentes, a cair do suplício
de a elas ter assistido. Presos da infalibilidade da sua vinda,
interrogamo-nos sobre o que as mantém vivas e lhes comunica
uma palidez de que toda a memória do sentimento parece
ter sido excluída. De onde terão saído? Que glaciares, opacos,
conservam ainda uma esperança tão traída da vida? Mamutes
cansados, contudo, atravessam sem se ver as landes do espírito.
Na esperança, talvez, de encontrar algum caçador furtivo.
Porque a caça, neste continente, onde os homens permanecem
imersos nos sentimentos, continua a ser um rudimentar
exercício de estilo. Doente de ser, quase sem artificio.
Daí que mal abordam as palavras, nelas reconheçam
um destino solar de exílio. Os pensamentos adensam-se
no sentimento e caem nas palavras como pedras
do absoluto. Todos desaprenderam de escrever
e a poesia tende a confundir-se com uma forma
aplicada de sarar as feridas. Que debaixo dos cobertores
homens com unguentos estendem até que, atraindo a si
a natureza no seu tremor, sob a flanela das calças se indistingam os rios.

(de Teoria da Revolução, Angelus Novus editora, 2000 – Política dos Autores)

5 comentários:

Arnaldo Lemos disse...

É para quando uma poesia assinada por ti?
Abraço...

rui disse...

Viva, "Arnaldo"!

Podes encontrar poemas meus clicando ali ao lado no marcador "voz própria"

Abraço!

L. disse...

passo e deixo o meu link... acrecento-te por lá tambem.

http://parecepouco.blogspot.com

L. disse...

aquirir os meus livros não é propriamente fácil.

nas fnacs ou bertrands, nem sei se dá para encomendar. na bulhosa deve ser mais fácil.

na bulhosa do oeiras parque e na livraria trama perto do largo do rato há o meu 2º livro.

na sá da costa, ao lado da brasileira, há 1 exemplar do primeiro.

ana salomé disse...

Todos desaprenderam de escrever
e a poesia tende a confundir-se com uma forma
aplicada de sarar as feridas.


sarar e abrir. não é? * :)