2.4.09

CARLOS ALBERTO MACHADO

(7)


O mundo está ali
e de repente fraquejas
o mesmo pânico que sentias
no escuro repentino da rua
quando regressavas a casa a sonhar
com o homem invisível da tv
falas depressa de mais
as palavras partem-se nos dentes
e na língua cresce o medo e suas
o peso do mundo está sobre ti
as luzes teimam em perseguir-te
e não há porra de porta que se abra
uma luz que de repente se apague.

(de Mundo de Aventuras, ATAEGINA – Associação de Produções Culturais, 2000)

3 comentários:

Miguel Barroso disse...

Gostei. Desconhecia.

Davi Reis disse...

Porreirinho. :) Fala de coisas do mundo tangível, pelo menos. :D
Mas olha, tens um desafio lá no Caderno. Que é daquela agenda?

Aquele Abraço

Maria D. Guerreiro disse...

Interessante...embora portas se abram simplesmente à acção da mão no manípulo e luzes se apaguem facilmente, por exemplo, carregando no interruptor...para alguns poetas, talvez um desafio bem maior que a poesia...a propósito, que é daquela agenda?? (...seja lá que agenda for...)

Beijola fofa