27.6.07

ANTÓNIO MEGA FERREIRA

POEMA


Uma nota só, de desordem persistente,
a vibrar no abismo das coisas,
no mapa dos delitos;
acarinhando o pequeno remorso precioso
dos fins por atingir;
dobrando o tempo numa curvatura baixa
que cinge os tornozelos
da fugidia esfinge;
uma nota só, de correcção insidiosa,
na dádiva natural do tempo já vivido,
de dor aflitiva pela palidez das coisas
e o seu nome por dizer.

Falando sempre, sempre lamentando
o que ficou por decidir.

(de O Tempo que nos Cabe, Assírio & Alvim, 2005)

3 comentários:

R. disse...

Bonito.

VENDIË disse...

Belas palavras, cheias de emoção e significado! Gostei muito.

rui disse...

obrigado