30.10.07

YVETTE K. CENTENO

VOZES


Vozes
contra as paredes

nessas vozes
não se pode nadar

o fluido é espesso
misto de alga
e de esgoto
destroçar
das paixões

praia
ao fim da tarde

nadando
com a maré vaza
na direcção da rocha
onde os deuses
se escondem

(de Entre Silêncios, Pedra Formosa, 1997 - colecção Arco Imperfeito)

3 comentários:

ana salomé disse...

...
adoro a Y K Centeno - estou a ler um livrinho sobre literatura e alquimia :)

obrigada por colocares este tão mais do que poema.

Priscila Lopes disse...

Excelente. Não sou "ninguém" para dizer "isto é poesia", mas sou testemunha de um talento.

Eu os convido a visitar o blog Cinco Espinhos no qual fazemos críticas literárias em forma de literatura.

Toda semana, também, garimpamos a Internet à procura do texto que valha a pena de um autor "desconhecido".

Participe de nossa enquete.

Abraços!

rui disse...

Priscila,
o "talento" de q é "testemunha" neste post é o de Yvette Centeno, cujo nome encima o poema.
Para testemunhar mais, sugiro-lhe q vá aos blogues da Autora: Literatura e Arte e Simbologia e Alquimia