24.1.11

GONÇALO M. TAVARES


CANTO II

94

Bloom passeia em Paris e vê coisas que o fazem pensar
noutras coisas.
Se até os tecidos ricos e a seda se reduzem a combinações
apenas mais estéticas dos nossos bem conhecidos
átomos sujos, para quê o espanto diante de Paris?
E até a catedral, a imponente catedral é, afinal de contas,
uma estaca, como toda a arquitectura,
uma estaca religiosa, bem enterrada no sítio certo, respeitada
e exigindo discursos mansos, mas estaca, sempre,
violentamente enterrada em Paris.

95
Toda a arquitectura é violência, portanto,
pensa Bloom.
Ao contrário dos animais rápidos, como o cavalo,
que não magoam a terra, apenas ganham impulso e avançam.
E há ainda as pedras. Falar em pedras preciosas, sim,
e por que não também em planetas preciosos,
ervas daninhas preciosas ou chimpanzés de luxo?
O que brilha mais de noite? Aquilo a que dás atenção
é o que mais brilha.
Sempre foi assim. E Bloom sabe-o bem.

[...]

106
Sim, é verdade que o comércio meteu a Natureza
em caixas com um preço. Mas tal não é terrível nem
sequer desagradável. Bem pior são certas crianças
que arrancam uma das patas a um sapo que teve o azar
de servir de objecto aos exercícios ingénuos de seres vivos
com seis anos. Entre ser vendida inteira
por comerciantes careiros ou ser fragmentada por crianças
que não sabem o valor do dinheiro, a Natureza
optará sempre pelo pacífico capitalismo.

107
Porque o capitalismo sabe que uma mercadoria
sem uma das patas vale menos:
por isso não arranca patas ou orelhas,
ou cabeças inteiras, à dentada. Mas se valesse mais até arrancavam
uma das patas da Torre Eiffel — exclamou Jean M.
Não te iludas com monumentos nem com cerimónias.
A estética terminou. Ficou o dinheiro.
Os homens são génios do bem para o ouro,
génios do mal para a paisagem.


(de Uma Viagem à Índia, editorial Caminho, 2010)

7 comentários:

ana salomé disse...

lindo.

Amélia disse...

Tenho lo livro desde que saiu, mas ainda não li.Vou fazê-lo em breve.

Manuel Rosa disse...

Gostei do conteúdo do blog.

maré disse...

e depois de tanto caminho...

"Bloom há muito perdeu o livro essencial;
e das montanhas
mal sabe o nome."

a verdade
"...para um livro importante que promete salvar o homem até ao seu último átomo."

canto IX in Uma Viagem à Índia

que me perdoe o Gonçálo

Klatuu o embuçado disse...

Uma obra sumamente pateta. Mas como autopromoção um achado - nisso é o autor brilhante, porque como escritor é uma anedota. Uma anedota na moda, mas uma anedota.

Raquel V. disse...

"A estética terminou. Ficou o dinheiro. Os homens são génios do bem para o ouro, génios do mal para a paisagem."

Entre tantas verdades ditas por uns e por outros, em longos "discursos" ou não, há verdades analíticas.

helia disse...

Hoje deram-me a indicação deste blog. Vim conheçê-lo e gostei!