20.5.06

RUI CARLOS SOUTO

DIFÍCIL REALIDADE


Sair ao encontro das árvores
É produzir refúgio
É reduzir tudo a encontrar
Coisas

Depois vemo-nos rodeados
Por janelas
Que não alcançam
Depois as ruas
Misturam-se com as palavras
E falam em monólogo
Com as folhas

É o fumo do tabaco
Perto ao sol
As bailarinas
Junto aos olhos
O movimento lento
Do tempo

Esgota-se o sonho
Até ao limite
Num equilíbrio mascarado
Ou na ilusão

É o cansaço que se bebe
Num certo fechar
De olhos
Certa forma inquieta
De despertar

(de Maneiras de Andar, Black Sun editores, 2001)

5 comentários:

Vitor_Vicente disse...

Rui, fico contente por gostares das «Maneiras de Andar» do Rui.
Em Setembro, vou publicar-lhe o novo livro de poesia.

Felipe Dias disse...

Adorei o que você escreveu ...foi de forma simples e objetiva, mostrando a difícil realidade ,adorei sua visão nesse aspecto.
Parabéns!
Se pudesse gostaria muito de que fosse no meu pra dar uma olhada nas minhas 2 poesias e comentar falando o que achou..ficaria agradecidissimo
Abraços

Vitor_Vicente disse...

Caro Felipe Dias,

Já fui ao seu blog. Os seus dois poemas são maus. Ainda tem de aprender a trabalhar a forma; poetizar um tema universal e eterno como é o amor não basta.
Leia, rapaz, leia! E depois, sim, escreva.

rui disse...

Vítor, estas maneiras de andar são, como bem sabes, um (entre muitos) bom exemplo do que por aí anda, iluminado pela luz possível de negros sóis, à espera de leitores atentos.
Felipe, infelizmente, o Autor deste poema não sou eu: o meu nome é Rui Almeida e o do Autor é Rui Carlos Souto.

Felipe Dias disse...

Certo,pensei que era vc ....
vc poderia dar uma olhada em meu blog também e falar um pouco o que achou sobre o q escrevi??
se puder ficaria agradecido