22.5.12



LUÍS QUINTAIS


Vivaldi

Depois de Vivaldi cessará toda a miséria.
Há músicas assim. Vêm até nós
para nos guiarem ao sítio lento

onde a alma se redefine, muda de pele,
já não para o ressentimento, mas para
uma alegria súbita e sem tempo

com a qual a entrevista paisagem
de prenúncios trágicos se suspende,
e uma dança transfigura os mínimos sinais

da celebrada maldição
e os lança aos imensos ventos
da miséria cultivada,

como se lhe oferecesse o voraz alimento
procurado, o que, por estratégia
ou diversão, te roubará ao desespero.

Para que se descreva a partitura,
o testemunho do porvir
onde tumultuados céus se extinguem,

sentirás, com o teu sangue, que alguém — 
Vivaldi — cantou prodigiosamente 
no alto das falésias do tempo,

e conhecendo por antecipação a tua mágoa 
cantou para ti e para mais nenhum outro.


(de Angst, livros Cotovia, 2002)

1 comentário:

Anónima Singular disse...

Sou fã de Vivaldi, e vou já a correr procurar mais informação sobre este autor que agora mesmo me conquistou :)