11.2.10

MARIA TERESA DUARTE MARTINHO


2008-2009



Ondula bandeira esvoaça cortina
Abre-se janela liberta-se ar

Presa palmeira a cena sonha:
De vez fogem aves
Largam pouso esquecem horas
Só seu voo perseguem

Outro avião as nuvens ilude
Alta torre também voa,
O céu risca
Em desapego espectacular


(in Telhados de Vidro, N.º 13 - Novembro 2009)

1 comentário:

Pedra do Sertão disse...

Gostei de "receber" as poesias do blog...bem legal...abç