20.6.05

BERTOLT BRECHT

UNICAMENTE POR CAUSA DA DESORDEM CRESCENTE

Unicamente por causa da desordem crescente
Nas nossas cidades com as suas lutas de classes
Alguns de nós nestes anos decidimos
Não mais falar dos grandes portos, da neve nos telhados, das mulheres,
Do perfume das maçãs maduras na despensa, das impressões da carne,
De tudo o que faz o homem redondo e humano, mas
Falar só da desordem
E portanto, ser parciais, secos, enfronhados nos negócios
Da política, e no árido e «indigno» vocabulário
Da economia dialética,
Para que esta terrível pesada promiscuidade
Das quedas da neve (elas não são só frias, nós bem o sabemos),
Da exploração, da tentação da carne e da justiça de classes,
Não nos leve à aceitação deste mundo tão diverso
Nem ao prazer das contradições de uma vida tão sangrenta.

Vocês entendem.

(tradução de Arnaldo Saraiva, com a colaboração de Sylvia Deswarte in Poemas, Presença, 1976 - colecção forma)

1 comentário:

Márcia Maia disse...

Nem acredito! Finalmente! Adorei encontrar esse poema aqui, hoje, Rui. Tem muito a ver com o que estamos vivendo do lado de cá.

Um beijo grande e saudade,

Márcia

http://www.tabuademraes.blogger.com.br

http://www.mudancadeventos.blogger.com.br

http://alfabeto.blogspot.com